Sobre acessibilidade

Áreas

06/04/2018 - 13:15

Na noite desta quarta-feira, 4, uma equipe da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) realizou uma ação de fiscalização em um porto particular de Icoaraci, onde foi feita abordagem na chegada de uma balsa oriunda do porto de Camará, no Marajó. O objetivo foi orientar os condutores que transportam produtos e subprodutos de origem animal e vegetal, e apreender ou autuar cargas em desacordo com a lei, promovendo, assim, segurança alimentar para a população.

Durante a ação, ocorreu a abordagem de um produtor que transportava uma carga de abacaxi sem a Guia de Trânsito Vegetal (GTV). Foi aplicado um auto de infração de defesa vegetal, assim como feita orientação ao produtor, devido o mesmo não ter conhecimento da obrigatoriedade da documentação. Após aplicação do auto, o produtor e a carga foram liberados.

O trabalho de fiscalização do trânsito agropecuário é realizado pela Adepará durante todo o ano nos postos fixos agropecuários e com equipes de fiscalização volante, localizados em pontos estratégicos no estado. Nas atividades são avaliadas as condições sanitárias e a documentação oficial obrigatória para cada tipo de carga transportada. É com esse trabalho que a Adepará mantém o status sanitário do estado e garante novos mercados para a região.

Segundo o fiscal estadual agropecuário, Aldernei Simor, a Guia de Trânsito Vegetal contribui para uma atuação mais efetiva na fitossanidade, além de ser um processo de rastreabilidade de produtos vegetais importante para a economia paraense. “A GTV é um documento obrigatório que permite o trânsito interno no Estado e serve para monitorar e rastrear a produção, proporcionando ao estado conhecer as demandas sobre a produção agrícola. O descumprimento desta exigência gera possíveis sanções”, explicou.

A fiscalização realizada no porto faz parte das ações para proteção das áreas livres de pragas agrícolas. Participaram os fiscais estaduais agropecuários Aldernei Simor e Jorge Góes, ambos do Gerência de Trânsito Vegetal da Adepará.

Por Inara Soares