Sobre acessibilidade

Áreas

05/08/2020 - 14:45

 

Um Termo de Cooperação Institucional foi celebrado, na terça-feira (4), entre a Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adepará) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado (Emater), com o objetivo de unir esforços para desenvolver atividades relativas às instituições. Dessa forma, pretende-se valorizar a produção agropecuária e fortalecer as cadeias produtivas do Pará. O documento foi assinado no município de São Félix do Xingu durante as ações iniciais de campo do Programa Territórios Sustentáveis, do qual as duas instituições são integrantes. 

A cooperação envolve diretamente o Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Proater), executado pela Emater, bem como as ações de Defesa e Inspeção Agropecuária realizadas pela Adepará. Segundo o diretor-geral da Agência Jamir Macedo, a formalização do termo era um desejo antigo das instituições. “Por meio dele, poderá ocorrer o compartilhamento de informações, incluindo dados das propriedades rurais, produção agropecuária e coordenadas geográficas”, ressaltou o diretor.  

O acordo também possibilita a execução em conjunto de treinamentos, palestras, dias de campo e ações de educação sanitária. Conforme Jamir Macedo, um dos pontos relevantes da cooperação é a possibilidade de profissionais da Emater atuarem como responsáveis técnicos de agroindústrias que processam produtos de origem animal e vegetal, a exemplo de queijarias, casas de farinha e produção de polpas de frutas. 

“Assim será viabilizada a concessão do selo do Serviço de Inspeção Artesanal da Adepará, que vai proporcionar a abertura de novos mercados com a comercialização dos produtos em todo o território paraense, gerando emprego e renda nos municípios. Sentíamos muita dificuldade em relação a essa responsabilidade técnica, pois as agroindústrias artesanais não conseguiam arcar com as despesas de um profissional para essa função”, relatou o diretor-geral da Adepará.

Para a presidente da Emater, Cleide Amorim, o acordo vai trazer ganhos para ambas as instituições. “A Emater e a Adepará são a presença do governo do Estado na área agrícola, nos municípios. Apesar de as nossas ações não serem as mesmas, elas se completam. Muitas vezes, nós auxiliamos a Adepará, inclusive, na legalização de agroindústrias, o nosso corpo técnico organiza a produção e a Adepará legaliza essa produção para a comercialização”.

Outro fator destacado por Cleide Amorim foi a complementaridade de ações na emissão de documentos junto às duas instituições. “Nossas iniciativas se completam tanto que, muitas vezes, para emitir a GTA (Guia de Trânsito Animal), o agricultor precisa do CAR (Cadastro Ambiental Rural), que é expedido pela Emater, assim como, por vezes, é necessário ter a DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf), que também é emitida pela Emater. Então, nossa atuação é complementar e não há necessidade de trabalharmos de forma diferenciada”, declarou a presidente. 

A integração de esforços ainda visa incluir a elaboração conjunta de programas de capacitação de técnicos a agricultores, a partir do interesse de ambas as instituições, bem como o intercâmbio de informações de natureza tecnológica e científica, além da identificação de oportunidades econômicas, socioambientais, fitossanitárias e sanitárias, que favoreçam o desenvolvimento das diferentes cadeias produtivas paraenses.

 

*Matéria publicada em: https://www.agenciapara.com.br/noticia/21275