Sobre acessibilidade

Áreas

Vídeo

 

A agropecuária é a segunda pauta do PIB do Estado, que tem o maior rebanho de bubalinos e o 4° maior rebanho de bovídeos do Brasil. Dos 144 municípios, 52 são dependentes exclusivamente do agronegócio. Daí a importância da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará).

O Estado é um dos maiores produtores de dendê, açaí, abacaxi, banana e mandioca do país e a sanidade é uma das missões da Adepará. A prevenção e a fiscalização garantem qualidade, preço, entre outras características desejadas nos mercados nacionais e internacionais, para tornar os produtos do Pará mais competitivos e aptos à exportação a outros estados e a outros países. As políticas abrangem o pequeno, o médio e o grande produtor rural.

O agronegócio paraense registrou ascensão mesmo em tempos de crise. O setor, nos últimos dois anos, aumentou o número de empresas registradas na Adepará, que implantou novos serviços, melhorou sua infraestrutura física e tecnológica, consolidou tecnicamente as ações de defesa sanitária agropecuária e de segurança alimentar.

“Estamos trabalhando para ter a melhor agropecuária do Brasil e ser referência no País. Realizamos a defesa e a inspeção sanitária aos moldes operacionais dos organismos internacionais de controle. O ano marcado pela pandemia de Covid-19 encontrou o corpo técnico da Adepará preparado para prosseguir com as ações, em meio à terrível crise de saúde”, diz o diretor geral da Adepará, Jamir Macedo.

 

MISSÃO
A Adepará executa as políticas de defesa agropecuária em todo o Estado, controla o trânsito intra e interestadual de plantas, animais e produtos de origem agropecuária e florestal, em Postos de Fiscalização Zoofitossanitários; inspeciona e fiscaliza a qualidade dos insumos e serviços do agronegócio; executa programas de controle e erradicação de pragas e doenças animal e vegetal; inspeciona e padroniza produtos de origem animal e vegetal, seus subprodutos, derivados e resíduos de valor econômico; e realiza ações de educação sanitária.

Dentre os resultados positivos dessas ações, destacam-se:
• Aumento em torno de 6% (nominal) da arrecadação, em relação a 2019.

• Avanço junto ao Ministério da Agricultura no Plano Estratégico para a transição de zona livre
de febre aftosa com vacinação, para livre sem vacinação, com conclusão prevista para 2023.

Das 44 metas do Ministério da Agricultura, 15 já foram alcançadas e 20 estão sendo concluídas. Outras 7 ações serão iniciadas em breve e 2 ações não se aplicam à Adepará. O avanço de status resultará na valorização da pecuária paraense, com benefícios econômicos e sociais significativos.

• Rigoroso controle do trânsito pecuário, com mais de 9,5 mil unidades bovídeas transitadas com a Guia de Trânsito Animal Eletrônica (e-GTA), sendo mais de 6,6 mil unidades para cria/engorda/reprodução e mais de 2,2 mil unidades para abate.

• Rigoroso controle do trânsito agrícola, com aproximadamente 139 mil toneladas de frutos certificados e acompanhados por meio da Permissão de Trânsito Vegetal Eletrônica (e-PTV) e Guia de Trânsito Vegetal Eletrônica (e-GTV), para 121 municípios em 18 Estados do Brasil.

• Sucesso na execução do Programa de Prevenção, Combate e Erradicação da Mosca da Carambola. A detecção da praga se reduziu ao município de Almeirim (distrito de Monte Dourado), cujas capturas de insetos acusaram considerável diminuição no decorrer de 2020.

• Avanço no programa de certificação de produtos e subprodutos artesanais no Estado, com 74 municípios contemplados 206 atividades realizadas.

• Integração total com o Programa Territórios Sustentáveis, com ações nos municípios de Água Azul do Norte, Ourilândia do Norte, São Félix do Xingu e Tucumã, de certificação da produção de cacau, isenta da praga Monilíase do Cacaueiro, em aproximadamente 70 propriedades; cadastramento de propriedades rurais em São Félix do Xingu; verificação das condições higiênico-sanitárias e construções civis nos quais se processam derivados de mandioca e polpa de frutas, com concessão de registro para funcionamento em 12 estabelecimentos.

VEGETAL
O Sistema de Informações Gerenciais da Defesa e Inspeção Vegetal (Sidiv) é uma ferramenta digital, implantada em 2020, que permite à administração central acompanhar em tempo real, na capital, as informações sobre a produção no campo.

"É uma ferramenta muito importante para que a diretoria acompanhe os planejamentos, as metas e os indicadores propostos para 2020. Alcançamos todas as metas na área vegetal com a implementação destes sistemas e o acompanhamento”, avaliou Lucionila Pimentel, diretora de Defesa e Inspeção Vegetal.

Para 2021, o foco é a implantação da Guia de Trânsito Vegetal (GTV) do açaí, que permitirá o desenvolvimento de políticas públicas e de defesa agropecuária para essa estratégica cadeia produtiva.

PLANEJAMENTO
Para 2021, a Adepará 100% digital proporcionará aporte tecnológico às unidades locais para as ações de campo; novos módulos de sistemas, tanto técnicos quanto de planejamento do Sistema de Integração Agropecuária (Siapec), darão celeridade aos fluxos processuais; atualização da frota de veículos; ampliação do serviço de manutenção predial para mais de 20 unidades locais do campo e implantação de 18 novos cursos e treinamentos para qualificar a equipe técnica de servidores.

ANIMAL
A Adepará está descentralizando o Serviço de Inspeção Estadual (SIE) para o oeste paraense, a partir da próxima semana. Constituído pelas regiões dos territórios do Xingu, Tapajós e Baixo Amazonas, o oeste do Pará representa 60% do território estadual e não tem nenhuma empresa com registro no SIE, na categoria industrial e artesanal, à exceção de um registro de granja de ovos, entregue em agosto de 2020.

Com o serviço na região, novas empresas serão cadastradas e novos produtos certificados, o que resultará no fomento da agropecuária local, mais emprego e renda. A ação faz parte da estratégia de governo de interiorizar a melhoria da defesa agropecuária, o desenvolvimento de agroindústrias e seu cadastramento na Adepará.

“O Governo do Estado tem o trabalho muito intenso no sentido de estarmos por todo o Pará. Nesse sentido, a Adepará está fazendo uma série de atividades, como o Programa Territórios Sustentáveis, no município de São Félix do Xingu, Ourilândia do Norte e Tucumã, com atividades voltadas à melhoria da defesa agropecuária, ao desenvolvimento de agroindústrias e seu cadastramento junto à Adepará, para que possamos promover a comercialização desses produtos e a regulamentação dos produtores rurais através dos nossos cadastros”, informa Jefferson Oliveira, diretor de Defesa e Inspeção Animal.

Vídeo: 
pagina inicial: 
Sim